OBRAS DO PROFESSOR CARLOS MOTA
Cuidado com as aparências...
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Livro de Visitas Contato Links
Textos
XXX
O ruído de uma suindara41 estremece Paineiras, que à porta do boteco, guardado por um matagal, não encontra coragem para avançar. E quanto mais aquela ave barulhava, mais seus instintos o incitavam a sair dali. Seria o prenúncio da morte? Após respirar fundo, dá uns dois ou três passos e para diante de uma chuva de vaga-lumes, que dividem o espaço com outros tantos bichos, alguns peçonhentos, que à procura de vítimas, não se intimidam com a presença humana.
 
O barraco feito de taipa, adornado por um enorme telhado de palha e paredes do barro retirado do rio - que não espelhava a lua em suas águas turvas-, testemunhava o mal-estar do homem, que ameaçava cair a todo instante. Talvez fosse por conta do odor fétido do lugar. À distância era possível identificar peixes boiando em meio a galhos de árvores e animais em putrefação.
 
Era dessa água que os moradores mais humildes de Vila dos Princípios se serviam para comer e saciar a sede; o mesmo rio que o prefeito Tanaka Santuku, nas duas últimas eleições, prometera desassorear e descontaminar; como tantas outras promessas, o rio permaneceria Feio por muito tempo, porque a classe abastada, a que fazia girar a ciranda financeira do município, diferentemente da plebe, recebia água do Rio do Peixe, um pouco mais distante, todavia, cristalina como às de Brotas e Águas de São Pedro.
 
Passando a mão pelo coldre, Paineiras percebe ter esquecido a pistola no carro, estacionado um pouco acima, à sombra de uma árvore centenária. Receoso de ali permanecer sem proteção, retorna ao veículo; por pouco não esbarra em Zelão, que apeando de uma motocicleta com as lanternas apagadas, saca-se de sua arma, e com ela rente aos olhos, caminha devagar à varanda do casebre.
 
À espreita, sem conseguir distinguir a figura à frente da do delegado, Meia-Noite se agacha em meio ao coaxar dos sapos, com uma 38 às mãos.  Traiçoeiro feito uma naja, aproxima-se, preparando o bote, que seria rápido e letal, para o espanto do policial, que tem as narinas congestionadas e os olhos irritados pela neblina de fel que ora se levanta do rio, carregando consigo toda peste que pudesse imaginar.
 
Como um cordeiro ao sacrifício, Zelão vai ao encontro do pistoleiro; ao passar pelos fundos da casa, Meia-Noite dá um salto e o agarra pelo pescoço, impedindo qualquer reação por parte do oficial desonesto. Um tiro é ouvido, para o espanto de Paineiras, que, ao retornar, reconhece o matador de outras emboscadas, e contra ele dispara, não perdendo tempo. O bandido cai de uma vez, sem emitir qualquer sinal de dor.
 
Com os corpos aos seus pés, escuta de novo o ruído da ave agourenta, olha para o relógio. São meia-noite e dois. Dois minutos apenas e estaria no lugar de Zelão, entrando para as estatísticas de homicídio do Estado. Ao se abaixar, remexe a jaqueta do malfeitor, encontrando um pacote lacrado, talvez com uns cinquenta mil; sem pensar duas vezes, guarda-o em seu casaco e se recolhe ao carro.
 
_ O seu dinheiro será entregue em frente àquele boteco que dá de encontro com o Rio Feio, à meia-noite em ponto. Vá logo, antes que me arrependa!” – relembra o delegado, para constatar em seguida: _ Era uma armadilha! – está com o envelope às mãos. _  E o prêmio seria uma bala na minha cabeça. Se eu não tivesse voltado ao carro... Como fui burro! Burro! Deveria ter imaginado... Marcar a entrega em um lugar isolado como esse? Tô vendo que só entendo de “brincadeiras de menininhas”.
 
Tomado pela cólera, esmurra o volante aos berros, rogando pragas contra a figura do maioral da política local, que à prefeitura, comemorava sua morte ao lado do vereador.
 
_ Ele me paga! Isso não vai ficar assim! Um dia é da caça, outro do caçador, como diz o ditado. Espere! Seu fim será terrível, prefeito! – ameaça. _ Se não, não me chamo Paineras Ken!
 
Pega o celular e liga.
 
_Ele desmaiou! Tá no chão! – responde George.
 
_Mande esse desgraçado se levantar agora, se não pegarei o primeiro voo que tiver para o Brasil e dele farei picadinho. Ô homem frouxo! O quê fiz a Deus para receber um castigo desses? Bem que minha mãe me dizia, case com o vigia, mas não case com essa praga, porque é fiz de carreira. Vamos, George, chame-o, já! Pois eu estou indo para o Brasil...
 
Ao ouvir a ameaça, o prefeito levanta-se correndo e tenta contornar a situação:
 
_ Minha querida mulher, Houba Santuku, como é bom falar com você! Nossa! Até desmaiei de tanta felicidade!
 
_ Largue de ser mentiroso, seu estrupício. E desde quando se preocupa com sua família? Pois não me enfeze ainda mais, Tanaka, porque sou bem capaz de fretar um jumbo e amanhecer em seu gabinete.
 
_ Deus me li... Digo, que bom! Venha! Estou morrendo de saudades de você!
 
_ Mas não vale nada mesmo! Acha que vou perder meu tempo para voltar a esta terrinha de loucos, doentes e pobres, que Carlota Joaquina42 tanto odiou, a ponto de nem querer seu pó? Não me conhece mesmo!
 
_Bem, você fala cada coisa tão linda, assim fico cada vez mais apaixonado... Aliás, por que liga tão tarde?
 
_ Cale a boca, imbecil, em Tóquio é meio-dia! Vamos deixar de lado os pormenores e ir direto ao assunto: cadê o dinheiro de que lhe pedi?
 
_Mas...mas...Houba, querida, eu já lhe mandei anteontem.
 
_Quinhentos mil? E desde quando isso é dinheiro? Como quer que eu viva em Tóquio com essa miséria? Só ontem, por causa do novo coronavírus, tive de “molhar” a mão de um segurança para que ele permitisse que a mamãe pudesse dar uma volta no shopping, ver as vitrines das lojas. Pode um negócio desse? A coitadinha tá sofrendo! Sniff! Responda-me, cadê os dois milhões de que lhe pedi, Tanaka? Fale, estrupício!
 
_ A-a-amor, de onde eu tiraria essa quantia?
 
_Ué, da verba que o Estado enviou para desassorear o Rio Feio.
 
_Aquele dinheiro já foi para o beleléu.
 
_Como é que é? Conseguiu gastar os seis milhões com o quê? Já sei! Deve ter enchido a adega de saquê, aliás, já parou de beber como havia me prometido?
 
_ Eu...eu...
 
_Shoganai43 ! Você é um perdido mesmo! O bafo de bode podre tá chegando aqui. Olha, Tanaka, você se vire, quero o dinheiro até amanhã, porque se não volto para esta terra e acabo com você. Sabe que seria bem capaz de procurar a Polícia Federal só para delatá-lo.
 
_ Eita! – espanta-se._ Acalme-se, Houbinha, tem um restinho da verba do Posto de Saúde e amanhã, na primeira hora, farei a transferência para sua conta. Fique tranquila.
 
_ É bom mesmo, ou você acha que eu pagarei as férias das crianças nos Alpes suíços com quê dinheiro? Elas merecem férias justas! Necessitam conhecer o mundo. O que quer deixar para elas? Cultura? Como? Não consegue nem afanar os cofres da prefeitura, quanto mais levar os filhos para conhecer outros continentes. Estrupício!
 
De lobo a cordeiro, George estranhava a atitude do amigo diante da esposa. Se alguém contasse, não acreditaria. Sabia que Tanaka tinha algum receio da família e, em especial, da mulher que lhe agraciara com dois filhos, mas não ao ponto de mudar o tom de voz e extinguir as ofensas dos diálogos. Incrível!
 
_Mas...mas..
 
_Cale a boca, Tanaka! Cale a boca! Ô homem imprestável, por isso a Yakuza não o aceitou como membro, pudera, é um jegue de coleira. Não sabe fazer nada direito. Será que precisarei ir ao Brasil te ensinar como retirar doce de pobre? Basta arranjar umas notas fiscais frias com seus amigos, superfaturar os valores das licitações, cobrar propina dos empreiteiros, comprar parte dos políticos e meter a mão nos cofres públicos. Até a mamãe, que completará noventa anos, no mês que vem...
 
_Velha rabugenta! Que o novo coronavírus a leve dessa para pior!!! – pragueja, sendo parcialmente compreendido pela mulher.
 
_ O que disse aí da mamãe, seu estrupício? Olhe, não me desafie, Tanaka Santuku, se não volto ao Brasil ainda hoje e lhe meto a mão na cara... Quer ver?
 
_Não é preciso, minha querida Houbinha, imagine! Deixe de estresse, assim que os bancos abrirem, mandarei três milhões, assim você poderá comprar também uma nova Prada; fica como presente, você merece! A minha família em primeiro lugar!
 
_Que estranho, o telefone só dá ocupado! Será que o beberrão já descobriu que estou vivo? Preciso, primeiro, manter a discrição, para depois dar um jeito nele. Sabe, vou para Vila Bonita, lá conseguirei pensar melhor – diz o delegado, ainda atordoado, ao partir.
 
_ACHEI!!! Você tinha razão, meu querido amigo! – Ernestina dá um beijo no pobre jardineiro. _ George armou tudo! Está aqui! Veja, veja, a câmera gravou tudo... – as imagens saltam de um DVR direto para a tela de um computador. _ Está tudo aqui! Ele entrou no quartinho com a arma. 
 
_Nóis tá passandu na Grobo? Comu ocê tá venu tudo isso?
 
_Aquela câmera que vimos há pouco está conectada a este aparelho – mostra-lhe o DVR, que mantém as imagens gravadas para que, em caso de furto, incêndio, sequestro e... NÃO É POSSÍVEL!!!- grita a mulher, completamente fora de si. _MEU DEUS DO CÉU!!!
 
_ U qui foi, Ernestina? Viu arguma barata? Sabi, tenhu um fio que si vê uma barata andanu, dismaia...
 
_Olhe aquilo, Moacir. Não foi Joaquim que fez o disparo, mas o próprio vereador. Meu Deus! Me dê um copo d’água com açúcar, por favor! Por favor!
 
_Virge! É memu! Óia, ele atirô nu pórprio braçu...
 
_Ande, homem, estou passando mal, o coração tá para sair pela boca.
 
E as imagens, como num desses romances de Agatha Christie44, não deixavam dúvidas. O pobre Joaquim havia mesmo sido vítima das traquinagens daquele demônio em forma de gente. E como reparar tal injustiça se o rapaz já havia encontrado a paz do outro lado? Trazê-lo de volta era impossível; mas resgatar o seu nome do vale das sombras não o era, por isso, Ernestina estava disposta a qualquer coisa, até mesmo a MATAR, se fosse o caso.
 
_Sabe, Moacir, “três coisas não podem ser escondidas por muito tempo: o sol, a lua e a verdade”, como disse o príncipe Sidarta Galtama45 – disse, tomando a água.
 
_I eli vai morá aqui im Vila dos Princípius? Nóis vai tê um príncipi aqui? Ó, qui chisque!
 
Comovida com a ingenuidade do homem, a empregada verte uma lágrima, que desce o rosto desorientada.
 
_U qui foi Ernestina? Pru que intá choranu?
 
_Doutor Rubens...- chama Maria, ao vê-lo chegar em casa. _ Fiquei sabendo há pouco, pelo rádio, da morte do rapaz. Sinto muito!
 
_ Também sinto! Não sabe como! Fiz de tudo!
 
_ Eu sei! Tenho certeza disso!
 
_Sabe, minha amiga, gostaria que este dia acabasse logo, não aguento mais tanto sofrimento...
 
_Como está dona Catharine?
 
_O rádio também divulgou isso?
 
_Só se fala na possível derrocada da família Dumont.
 
_Exagerados. Ela terá um longo caminho até...
 
_...Até a cura? – interrompe-o.
 
Rubens se recolhe sem responder à pergunta.
 
Vendo-o sumir, questiona a si mesma:
 
_ Será que ele contou que é o pai dela? Hum! Não sei não!
 
Depois suspira fundo, apaga a luz e vai para seu quarto.
 
O dia ressurge nas terras em que Dilermando transformou soja em ouro...
 
O jornal chega às bancas, para o desespero dos filiados do Partido Redentor de Vila dos Princípios, que exigem de Alberto uma resposta à altura. A imprensa local reproduzia, na íntegra, a reportagem feita com George, ainda no hospital, quando este acusou o partido centro-direitista de ser o suposto mandante do crime que quase acabara com sua vida.
 
_ O que isso significa, doutor Alberto? – vocifera Desirê, às voltas com o jornaleco às mãos. _ Agora viramos assassinos? Assassinos de oponentes? O que nos diz sobre isso?
 
_Fale logo! Queremos uma resposta – exige Lúcio, batendo a bengala contra uma mesa.
 
O homem, que acabara de chegar, pega o jornal em mãos e toma ciência dos fatos, para então emitir uma opinião.
 
_Senhores – diz, minutos depois-, isso é obra do Tanaka, aquele ser asqueroso. É claro que não fizemos nada disso. Acha? Dizer que fomos capazes de contratar um pistoleiro para pôr fim à vida do vereador? Que horror!
 
_Acho que não se atentaram para a reportagem ao lado da nossa – diz Ricardo, apontando para uma fotografia de Catharine com o motorista na capa.
 
_ Do que está falando? – cobra o idoso.
 
Todos se voltam para o Tributo ao Povo.
 
_Dona Catharine, amante de um motorista? Nossa! – assusta-se Desirê. _ Isso é pior que contratar um assassino.
 
_O jornal insinua apenas – adverte o assessor.
 
_Mas o motorista morreu depois de sofrer um ataque na delegacia de Vila Bonita-  rebate a mulher.
 
_Crime passional! – declara Lúcio.
 
_A população ficará em choque – comenta Alberto. _ A família Dumont é o alicerce desta sociedade.
 
_ Um alicerce corroído pelos cupins! – declara o velho.
 
_Que seja! – afirma o líder.
 
_ Contrate o melhor advogado da cidade e processe esse jornal; que mostre as provas de que somos um bando de mafiosos. Por ora, a candidatura de Zé dos Cobres está cancelada- anuncia o ancião.
 
_ Como assim? – espanta-se o doutor. _ E...e... por quê?
 
_ Aqui está! É um abaixo-assinado que fiz hoje de manhã, após ler estas agruras; precisamos de um homem idôneo, firme com as palavras, conhecedor das chagas desta plebe, que esteja à altura dos anseios do partido, para que nosso voo à prefeitura seja exitoso. E este homem é Giacomo Benatti. Já falamos com ele e, em breve, estará de volta ao Brasil.
 
_Vocês não podem fazer isso, eu já havia conversado com o Zé...
 
_Zé...Zé...quem é Zé perto de um Benatti? Acho que está ganhando alguma do partido rival, porque não é possível, desde quando a elite se inclinará aos ditames da gentalha? O que esse homem possui que Giacomo não possa driblar e tirar de campo? – desafia Lúcio.
 
_O caráter!
 
_Acusa nosso candidato de mau-caráter? Que audácia! Vou propor sua expulsão.
 
_ Acredito que possamos reparar a acusação do vereador e de sua trupe no âmbito jurídico e relegá-la ao esquecimento, desde que exploremos com eficiência o suposto caso de traição envolvendo a dama dos Dumont e seu motorista – aposta Alberto.
 
_Isso é uma hipótese, meu rapaz! E com hipótese não se constrói História.
 
_Nem com falsos heróis se faz uma pátria – revida.
_Está dizendo que Giacomo é incapaz de ler a alma dessa gentinha molambenta, acostumada à sombra de uma árvore, suco de laranja e bolsa-família?
_Não tem vergonha do que diz, seu Lúcio?- repreende Alberto.
 
_Vergonha deveria ter o senhor, que aposta numa figura desqualificada, sem o  esmero de que gozam nossos filiados, para concorrer ao pleito municipal.
 
_O senhor nem o conhece.
 
_ E nem quero! De pobre, já bastam aqueles que me limpam os sapatos e me servem as refeições.
 
_ Pois, saiba, como líder, não mudo minha posição, ainda que ela contrarie a visão do partido. Zé dos cobres será o nosso candidato.
 
_ Só se for por cima do meu cadáver.
 
_ Confesso, estou impressionada com sua firmeza – diz Desirê. _Se fosse outro, ao primeiro susto, já teria mudado o candidato; diferentemente, o senhor o mantém, ainda que isso contrarie os abastados da região. Já que insiste nessa sandice, porque o é, afinal, desde quando um “sujeitinho do povo”, por mais vivido que seja, será capaz de desbancar um homem que carrega o brasão da família Dumont? Nunca! Mesmo que o caso do motorista e da esposa vire fofoca, caia na rede social, atinja seu ápice, Tanaka, a grande raposa política destas terras, encontrará uma forma de transformar seu discípulo em anjo, duvida? De “corno”, desculpem-me a palavra, à vitima, e lá estará George, ocupando a cadeira de prefeito, que todos nós almejamos há anos. Todavia, diante de sua teimosia, tenho uma proposta a lhe fazer.
 
_ E qual seria? – pergunta o político, desconfiado.
 
_ Aceitaremos o seu candidato...
 
_Como assim, mulher? – interfere o velho._ Enlouqueceu?
 
_Acalme-se, Lúcio, ainda não terminei... – volta-se para a Alberto e dá o bote -... desde que a campanha seja toda custeada por você e por quem mais quiser assinar esta que será a sentença de morte de nosso partido.
 
_ Mas temos o fundo partidário...
 
_Não será suficiente! E sabe disso! Retiro-lhe o cheque em branco! Se quiser ir à ruína, que vá sozinho.
 
_Mas...mas...
 
E os dois se vão,  deixando Alberto e Ricardo atônitos.
 
_E agora, doutor Alberto? Sem eles, não há como manter a campanha.
 
Sentado a uma cadeira, o homem abaixa a cabeça, olha para o chão, enche os pulmões com gosto e nada responde. No íntimo, sente-se um derrotado. Uma pena!

_________

41 Conhecida também como rasga-mortalha, Suindara é uma coruja que possui fama de agourenta. Em algumas regiões, principalmente no norte e nordeste do Brasil, acredita-se que quando essa ave passa por cima de alguma casa soltando um ruído semelhando a um “pano sendo rasgado”, é sinal de que algum morador por ali está perto de morrer.
 
42 Princesa do Brasil e, depois, Rainha de Portugal. Filha dos reis de Espanha Carlos IV e Maria Luísa de Parma, nasceu na Espanha em 22 de abril de 1775. Quando completou 10 anos de idade, casou-se por procuração com D. João VI.  Ela detestava o Brasil. Quando pode retornar a Portugal ficou radiante. No dia 25 de abril de 1821, Carlota Joaquina, seu marido D. João VI, seu filho Miguel, seis princesas e 4.000 cortesões, levando mais de 50 milhões de cruzados roubados às escondidas do Banco do Brasil, valor que correspondia à grande parte do Tesouro Real Brasileiro, embarcaram de volta à Europa. Seu desprezo por estas terras era tanto que ao embarcar no navio, Carlota tirou os sapatos e disse: "Nem nos calçados quero como lembrança a terra do maldito Brasil”.

43  Pode ser traduzido literalmente como “não há o que fazer”. No entanto, a utilização dessa palavra não tem a intenção de desencorajar ou desesperar. Esse termo possui o propósito de incentivar as pessoas a aceitarem as coisas que estão fora do seu controle.
 
44 Foi uma escritora britânica que atuouco mo romancistacontistadramaturga e poetisa. Destacou-se no subgênero romance policial, tendo ganhado popularmente, em vida, a alcunha de "Rainha/Dama do Crime.

45  Foi um príncipe de uma região no sul do atual Nepal que, tendo renunciado ao trono, se dedicou à busca da erradicação das causas do sofrimento humano e de todos os seres. E desta forma encontrou um caminho até a iluminação. É popularmente conhecido por  Buda, “o despertado”.


**Continue lendo - capítulo 31:
https://www.recantodasletras.com.br/novelas/6907797
 
Carlos Mota
Enviado por Carlos Mota em 03/04/2020
Alterado em 31/05/2020
Comentários